Você sabia que a análise metagenômica do solo pode melhorar a produção agropecuária?

Semelhantemente ao que acontece com o organismo humano, as plantas também apresentam suas próprias defesas naturais no solo. Essa defesa ocorre através da relação mutualística entre as plantas e os diferentes microrganismos presentes no solo, demonstrando que a agricultura pode muito se beneficiar com uma análise aprofundada do solo, que abrange não somente a composição física e química, mas, também, a do microbioma.

Por ser uma parte muito importante da composição da superfície terrestre para a agricultura, a compreensão sobre o microbioma se faz necessária, em especial, quando se trata de cultivo controlado pelo ser humano. O microbioma é um conjunto de microrganismos compostos no solo de uma área geograficamente determinada. É através desse conjunto de microrganismos e as suas interações que as plantas sofrem processos de proteção contra doenças, auxílio no ciclo do carbono e decomposição de matéria orgânica.

As interações entre os microrganismos no solo auxiliam também na absorção de nutrientes pelas plantas como nitrogênio, enxofre e fósforo, e as plantas, por sua vez, fornecem carboidratos para a manutenção da energia necessária dos microrganismos. Essa relação é denominada como mutualismo, já que ambos organismos vivos se beneficiam dessa interação. Além do mais, esses microrganismos combatem outros que são considerados patógenos para determinados tipos de cultivo, semelhantemente ao processo da ação de uma “vacina” nos seres humanos. Nesse sentido, o microbioma é fundamental para saúde, crescimento e desenvolvimento das plantas.

A ANÁLISE METAGENÔMICA DO SOLO

Para se ter acesso a real composição biológica do solo é necessário que se examine o local. Esse processo de análise é feito a partir da coleta de material, sem a necessidade de cultivo de microrganismos; para posteriormente, avaliação dos fragmentos de ácidos nucleicos do microbioma encontrados. Nesse processo, podem ser identificados quais microrganismos estão presentes nesse solo, bem como quais agentes patológicos estão prejudicando a saúde do vegetal. Assim, são emitidos laudos das análises efetuadas, além proporcionar sugestões de conduta para melhoramento do microbioma do solo.

Normalmente a técnica utilizada para obtenção de dados para metagenômica é o sequenciamento de nova geração, NGS. Existem painéis pré desenhados para o sequenciamento estratégico de regiões específicas e úteis para identificação das espécies de bactérias e fungos estão presentes nas amostras. O não uso de painéis também pode ser uma opção para o caso de experimentos que objetivam o sequenciamento completo do genoma das espécies presentes no solo.

BENEFÍCIOS DA SUPRESSÃO ESPECÍFICA

De modo geral, os microbiomas dos solos apresentam interações próprias. Entretanto, pensando no contexto da agricultura, em que o objetivo é uma produção maior e de qualidade, a realização de uma supressão específica é um método bastante eficaz para o desenvolvimento das plantas.

A supressão específica consiste na intervenção do homem no microbioma, a fim de o reequilibrar, para o benefício de crescimento do plantio. As intervenções podem servir tanto para inserir novos microrganismos para melhorar a absorção de nutrientes, quanto para aumentar a população de organismos antagônicos para combater àqueles que podem estar causando uma patologia nas plantas. Essa conduta auxilia no melhoramento da qualidade do cultivo, bem como para acabar com microrganismos que causam doenças nas plantas, diminuindo o uso de pesticidas e, consequentemente, contribuindo mais para a segurança alimentar.

Agora que você já sabe sobre as vantagens em obter um microbioma equilibrado do solo para cultivo, saiba mais como a Molecular pode auxiliar na obtenção de dados para análise metagenômica, clicando aqui. Com nossos kits de preparo de biblioteca e painéis para sequenciamento aplicado à metagenômica você pode melhorar a qualidade das análises de solo. Entre em contato e faça seu orçamento!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Author picture

Assessoria Científica Molecular

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *